Saiba escolher os materiais para a reforma do sofá

0
440

Reformar o sofá é uma alternativa interessante para quem busca mudar o visual da casa sem gastar muito e ainda valorizar a peça do mobiliário. O sucesso da transformação, no entanto, depende da qualidade dos materiais escolhidos e, principalmente, do tapeceiro que fará o serviço. Mas, se você não conhece nenhum profissional de confiança, vale a pena investigar aspectos como o modelo de espuma que será usado, a qualidade do tecido sugerido e as vantagens de fazer uma impermeabilização antes da contratação.

Nem sempre é preciso trocar a espuma do estofado, já que um material de boa qualidade dura, em média, dez anos. Caso seja necessário, as opções mais comuns no mercado são: flocos, bloco ou pluma sintética. A primeira é a mais barata (custa entre R$ 3,50 a R$ 4,00 o quilo), sendo usada com frequência em almofadas de botão, dada sua maleabilidade. Tal espuma ainda confere uma estética macia, apesar de sofrer deformações com o passar do tempo.

Já o modelo em bloco oferece mais consistência e ergonomia ao móvel. Há espumas de várias densidades à venda e a compra deve ser feita segundo o peso e o conforto desejados. As numerações 28 e 33 são as que proporcionam grande maciez e suportam pesos de até 90 quilos. As espumas mais rígidas – 35, 40 e 50 – funcionam bem em almofadas soltas de assentos, pois evitam desgastes.

A chamada pluma sintética é, na verdade, algodão siliconado. A vantagem desta opção é ter um estofado bem macio e com toque de pena de ganso. Seu preço é equivalente ao do bloco de espuma e chega a R$ 12 o quilo. Outra opção existente no mercado é o enchimento de “mola ensacada”, que vale-se de uma camada de três a quatro centímetros de espuma para revestir as molas. “A maioria dos estofados leva também uma manta protetora como forma de acabamento. Ela traz uniformidade às almofadas e representa um investimento de R$ 80 por jogo de sofá”, afirma Mário Souza de Azevedo, tapeceiro da loja Renovação.

Cada estilo de móvel apresenta medidas específicas, porém, um assento deve ter, no mínimo, 45 cm de altura e 58 cm de profundidade. Já o encosto, 90 cm de altura e 17 cm ou 18 cm de profundidade. O fechamento do contrato deve levar tais medidas em consideração e o trabalho será facilitado com a presença de fotos da peça do mobiliário. Além disso, é importante que o tapeceiro confira de perto as formas exatas do estofado original para evitar possíveis erros.

Tecidos e estampas

A estampa é outro elemento a ser decidido no momento da reforma. Não existem restrições claras, mas a escolha acabará definindo o estilo do morador. “Aqueles mais arrojados devem usar estampas nos sofás e nas poltronas. Os mais clássicos podem recorrer aos desenhos somente nas almofadas. Quem ficar entre as duas possibilidades pode usar estampas em almofadas e poltronas e deixar o sofá liso”, diz Valeria Beer Dini, empresária e decoradora da Unique Mood.

Muitas são as opções de tecidos disponíveis no mercado. Os mais baratos são linho, sarja e courino sintético (ou náutico) que custam, em média, R$ 25 o metro. Os de preço intermediário – suede e chenille – variam entre R$ 50 a R$ 70 o metro. Já os tecidos de valores mais elevados, entre R$ 120 e R$ 400 o metro, são jacquard, seda, linho pré-encolhido e couro. Alternativas impermeáveis também estão à venda, além de ser possível encomendar o trabalho de impermeabilização no próprio tapeceiro. Fonte ig

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA