Energéticos são um risco e adolescentes ignoram

0
45
PUBLICIDADE

Férias, festas e verão. Estudos, concentração e tensão. Nos cenários citados, é comum a pessoa não querer perder nenhum segundo para o cansaço, a fadiga e o sono, deixando de lado uma noite bem dormida de sono. Recursos são vários: café, guaraná em pó, alguns tipos de chás. Na estação mais aguardada do ano, por conta do calor, a alternativa tem sido os energéticos, principalmente entre os mais jovens. A questão é que o consumo em excesso desse tipo de produto, ainda mais de forma precoce, pode levar a consequências mais extremas, como infartos e AVCs.

O risco é tamanho que um estudo publicado na revista europeia “Frontiers in Public Health”, ano passado, alerta as autoridades de saúde pública e usuários a ter uma maior atenção para os malefícios de bebidas energéticas à saúde, cuja composição é de açúcar, vitaminas, guaraná, ginseng e cafeína. Conforme o levantamento, esse tipo de bebida deveria ser regulada para a restrição do consumo entre crianças e adolescentes.

Os riscos para a saúde associados ao produto são principalmente atribuídos aos seus altos níveis de açúcar e cafeína. Algumas bebidas possuem mais de oito vezes a quantidade de cafeína de uma dose de café (100 mg da substância por 30 ml, contra as 12 mg de um cafezinho).

Já estudos anteriores estabeleceram que o consumo de cafeína começa a ficar mais prejudicial para o organismo quando ele é superior a 400 mg por dia em adultos, 100mg por dia em adolescentes de 12 a 18 anos e 2mg por quilo em crianças menores de 12 anos. Os maiores riscos estão associados a problemas no ritmo cardíaco.

De acordo com a nutricionista Anavalda Oliveira, além do sistema coronariano, outros sintomas do uso excessivo de energéticos estão relacionados a insônia, dores de estômago, acidez sanguínea, tremores nas pálpebras, erosão dentária, infarto e tão falado Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Os jovens têm feito um uso crescente dos energéticos devido ao marketing das empresas, contudo eles não podem esquecer dos seus componentes e os seus riscos para a sua saúde”, alertou.

Segundo ela, estudos apontam que os energéticos não devem ser oferecidos às crianças, devido a grande quantidade de cafeína e outros estimulantes. Além disso, pesquisas indicam que em crianças menores de 12 anos pode aumentar as chances de doenças como pressão alta, ansiedade e insônia.

“Normalmente os energéticos se ingeridos em pequenas quantidades, podem ser insuficientes para que o estado alerta da pessoa seja restabelecido. Por exemplo, a cafeína só gera o efeito estimulante em uma proporção de seu peso corporal vezes três. Ou seja, um homem de 80 kg precisa consumir no mínimo 240mg para sentir os seus efeitos. No geral seria uma lata e meia no máximo por dia”, disse a especialista.

Indicação

De acordo com Anavalda, as bebidas energéticas foram desenvolvidas com o objetivo de incrementar a resistência física do indivíduo, prover reações mais velozes a quem as consome, levar maior concentração nas atividades exercidas, evitar o sono, proporcionar uma sensação de bem-estar, estimular o metabolismo e ajudar a eliminar as substâncias nocivas do corpo.

No entanto, somente alguns grupos mais específicos é quem devem realizar o consumo de energéticos, conforme aponta a nutricionista. “Os energéticos são indicados para desportistas, motoristas e estudantes. Devem ser evitados em jejum, pois a cafeína é um irritante gástrico. O seu consumo em jejum leva a potencialização de seus efeitos por sua absorção ser mais rápida. Além disso, eles não devem ser consumidos associado à outras bebidas como as alcoólicas, pois aumenta o desejo pelo álcool e o risco de intoxicação”.Fonte TB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui