Pressão alta é a doença que mais mata no Brasil

0
98

Um dos grandes e mais comuns problemas de saúde no mundo todo é a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), popularmente conhecida como pressão alta. Seu diagnóstico consiste no paciente apresentar níveis de pressão arterial superiores a 140×90 mm hg, acima dos 120×80 mm hg, considerados padrão.

De acordo com o clínico geral do Hospital e Maternidade São Cristóvão em São Paulo, Vagner Sanches Nakayama, os portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica têm um significativo aumento de risco quanto a eventos cardiovasculares a curto ou longo prazo, devendo o quanto antes iniciar tratamento.

“Uma grande preocupação com relação ao diagnóstico da pressão alta é sua traiçoeira natureza assintomática em grande parte da população hipertensa. Então, demora para ser diagnosticada e tratada. Normalmente, só é descoberta quando há uma primeira complicação cardiovascular, normalmente um Acidente Vascular Cerebral (geralmente um AVC isquêmico, gerando uma espécie de obstrução ao fluxo arterial, impedindo a passagem de oxigênio e nutrientes para as células cerebrais)”, explica o especialista.

No entanto, nos pacientes sintomáticos, alguns indícios podem ser observados como suspeita de pressão alta, são eles: cefaleia, tonturas, fadiga, alterações visuais, palpitações, sudorese, perda ou ganho de peso, entre outros sintomas. Segundo Vagner, cerca de 95% dos casos têm causa desconhecida e são chamados de Hipertensão Primária ou Hipertensão Essencial. Os outros 5% com causa conhecida são chamados de Hipertensão Secundária.

“Acredita-se que a Hipertensão Primária seja uma consequência de fatores genéticos associados a diversos fatores ambientais, como ingestão excessiva de sal na dieta, obesidade, estresse, entre outros. Já na Hipertensão Secundária, é mais comum que a causa seja por doenças renais, uso de anticoncepcional oral, doenças das glândulas adrenais, doenças cardíacas, doenças da tireoide, doenças hematológicas, uso de drogas ou determinadas medicações”, esclarece.

No Brasil, estudos de prevalência estimam que a pressão alta acometa aproximadamente 35% da população adulta, chegando a cerca de 75% naqueles acima de 75 anos.
As consequências da pressão alta não controlada ocorrem no corpo todo, como: lesão vascular nos vasos sanguíneos (que dificulta a passagem do sangue e afeta a irrigação de todos os órgãos e tecidos) e no coração (insuficiência cardíaca, infarto, morte súbita); doença cerebrovascular (afeta os vasos cerebrais, sendo a maior causa de óbito no Brasil); nefropatia (alteração da função renal); retinopatia (lesão das pequenas artérias e arteríolas da retina, gerando o comprometimento da visão); além de outras lesões, como risco de surgimento de aneurisma da aorta (dilatação) e trombose arterial nos membros inferiores (coágulo sanguíneo). Fonte Tribuna da Bahiahip

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui